domingo, 27 de março de 2011

Este não é um post sobre fisioterapia

Olá Galera,
Este não é um post sobre fisioterapia, aliás, sei que ando devendo postagens mais frequentes, mas não resisti a fugir do assunto deste blog.
Acho que os leitores mais assíduos já perceberam que eu não nutro muita simpatia pela classe política do Brasil. Na verdade desprezo é uma palavra branda demais para descrever o que eu sinto pela grande maioria dos políticos brasileiros. Por isso preciso divulgar este video da deputada estadual Cidinha Campos do Rio de Janeiro. Não é de hoje que uma corja de ladrões e assassinos infectam a ALERJ e também não é segredo para ninguém o envolvimento deste tipo de gente com o narcotráfico... como foi retratado no filme "tropa de elite 2" infelizmente tem quem vote nessa gente...
Este video serviu para me dar ainda um pouco de esperança.
Percebam como os risos dão lugar a um silêncio sepulcral...será que a carapuça serviu EM TODO MUNDO DA ALERJ ? ? ?
me parece um caso de sujo falando do mal-cheiroso, mas é sempre bom ver alguém jogando no ventilador.
..

Capitão Nascimento neles!!!!!

sábado, 19 de março de 2011

A Síndrome da Pedrada

AVISO AOS NAVEGANTES
Esta é uma postagem direcionada a estudantes e profissionais de fisioterapia. Se você está com dores na perna ou em qualquer outra parte do corpo, não tente fazer o diagnóstico sozinho(a).
Dito isso, segue a postagem...
 

 
Você já ouviu falar da síndrome da pedrada? Esta síndrome nada mais é do que o nome criativo dado ao estiramento muscular das fibras do músculo Gastronêmio - geralmente envolvendo a cabeça medial. Esta condição é também chamada de “Tennis Leg”. Esta denominação pouco usada no Brasil, mas útil para quem quiser procurar mais informações sobre o assunto em sites de língua inglesa..
 
E por que síndrome da pedrada ?
A contração brusca e intensa do músculo tríceps sural pode de gerar uma ruptura de suas fibras. Geralmente é causada durante a corrida (como ao atravessar a rua). Esta lesão caracteriza-se por dor súbita localizada na parte posterior da perna, de intensidade variável, seguida de hematoma. Pode ocorrer também um estalido audível. Devido a estas características, alguns pacientes relatam que a sensação no momento da lesão é como se tivessem sido atingidos por uma pedra ou uma bala perdida (por alguma razzão esta última associação é muito comum entre os cariocas). No momento da lesão a perna pode falsear, fazendo a pessoa cair no chão.
 
O grau de ruptura muscular pode variar de leve, apresentando sintomas de pequena intensidade, a moderado, fazendo o indivíduo mancar. Em casos graves, a ruptura muscular pode mesmo incapacitar a pessoa de andar. Às vezes, especialmente entre idosos e pessoas na meia-idade, os sintomas podem ser confundidos com um episódio de Trombose Venosa Profunda (TVP).
 
Quais são os sintomas?

No momento da Lesão:
Ocorre uma dor súbita e aguda, seguida por uma dor em queimação na panturrilha afetada. A pessoa geralmente descreve um "estalo" na panturrilha e, por vezes, acredita que ele ou ela tenha sido atingido por trás, como se por uma pedra ou bala perdida (relato mais comum entre os cariocas). A perna pode falsear, fazendo a pessoa cair no chão. Um outro sintoma pouco mencionado é que em casos moderados/graves, a batata da perna fica “murcha” (hipotônica), acredito que isso aconteça devido a uma inibição muscular pela dor.
 
Após a lesão aguda
A dor pode variar de leve a intensa, dependendo da gravidade do estiramento muscular. O paciente pode apresentar incapacidade de colocar o calcanhar no chão, geralmente caminhando na ponta dos dedos do pé para reduzir a dor. A dor pode estender-se por todo o comprimento do músculo lesionado e piorar durante a contração ativa ou alongamento passivo. Equimoses e hematomas podem surgir no tornozelo. A recuperação depende do grau da lesão, em geral variando entre alguns dias até cerca de seis semanas.

Em geral esta lesão não deixa sequelas. Porém nos casos mais graves, se não for tratada corretamente, a remodelação cicatricial pode ocorrer de forma desorganizada, o que pode tornar o músculo fraco e propenso a novas lesões.
… e agora o que todo mundo quer saber:
 
Fisioterapia
O fisioterapeuta é o profissional mais capacitado para orientar e supervisionar os exercícios e atividades mais adequadas para a recuperação desta lesão. Portanto, se você está lendo esta postagem porque se lesionou e decidiu consultar o Dr. Google antes de um médico ou fisioterapeuta, recomendo que você pense bem no que está fazendo... tem certeza que acertou o diagnóstico ? Pense bem, pois um tratamento mal feito pode comprometer seriamente sua perna. Você já assistiu House alguma vez?
Dada esta nova advertência, podemos prosseguir.
 
O tratamento imediato
  • RICE (repouso, gelo, compressão e elevação) para as primeiras 48 horas. Elevação da perna evita o inchaço. Além disso, o repouso neste período também é importante.
  • Uma meia elástica pode ser prescrita.
  • Para casos mais graves, deve-se usar muletas, com carga zero no membro afetado.
  • Após a consulta com o médico, a prescrição de medicamentos para o controle da dor e inflamação.
 
Fisioterapia
Inclui retorno as atividades de membro inferior conforme tolerância.
Com a redução da dor, pode-se utilizar alguns alongamentos e atividades concêntricas e excêntricas. Eu acho interessante desenvolver atividades com descarga de peso parcial ou total (conforme tolerância) reproduzindo as fases da marcha para melhorar o controle neuromuscular. Aliás, uma boa pedida seria antes mesmo das atividades com carga utilizar algumas irradiações de PNF para “acordar a musculatura”.
Monitore o retorno das atividades de caminhada e de dirigir carros. Não se esqueça dos alongamentos e atividades de propriocepção. Cuidado para não ultrapassar o limiar de dor, pois isto pode atrasar o processo de recuperação.
 
É isso aí pessoal, espero que as dicas sejam úteis

sexta-feira, 11 de março de 2011

O Fim da Fisioterapia

Quando eu nasci o mundo era bem diferente do que é hoje. Pra começar não existia celular, TV a cabo e muito menos internet. A primeira década do século XXI consolidou a tecnologia como um bem de consumo essencial para o ser humano. Apesar desta constatação, sempre achei curiosa a demora com que a tecnologia é incorporada pelas ciências da saúde, particularmente a reabilitação. Mas apesar desta defasagem, eu acredito que o século XXI será conhecido como o século da reabilitação. Não digo isso por ser um cara que vê o copo sempre meio cheio (pra ser sincero, estou longe disso!) , mas sim pela quantidade de pesquisas promissoras em andamento. Temos desde células-tronco para a cura de lesões medulares e doenças neurodegenerativas até o novíssimo exoesqueleto ReWalk, passando por próteses computadorizadas, e terapias baseadas em realidade virtual.

Com todos estes milagres prestes a acontecer, eu me pergunto se este não será o fim da fisioterapia. Afinal de contas, se uma injeção de células tronco for capaz de curar lesões medulares, doença de Parkinson, AVC, Esclerose Lateral Amiotrófica, unha encravada e até feiura, por que alguém procuraria um fisioterapeuta?

Calma, calma, não criemos pânico! Não vá sair correndo pra se matricular em outra faculdade e nem rasgar os certificados dos cursos que você já fez. Eu acredito que mesmo com a possibilidade de cura, as pessoas ainda precisarão reaprender a utilizar seus corpos. Veja, por exemplo a entrevista publicada na revista Info exame em novembro de 2010 com o pesquisador brasileiro Miguel Nicolelis (clique aqui para ler).

Nicolelis está pesquisando formas de realizar interface cérebro-máquina, ou seja: de conectar o cérebro humano a membros robóticos. A previsão é que as pessoas que perderam membros e que venham a se beneficiar desta interface precisem ser treinadas na utilização do membro artificial, e adivinha só quem vai fazer isso?
Isso mesmo! Fisioterapeutas!
Já imaginou as oportunidades de trabalho que podem surgir a partir daí?

Mesmo os pacientes submetidos ao polêmico tratamento com células-tronco necessitarão de reabilitação tanto antes, para manter o comprimento muscular e a integridade articular, quanto depois, justamente para reaprenderem os movimentos.

Pois é pessoal, para aqueles que leram esta postagem esperando a declaração do fim da fisioterapia, lamento informar que ainda não foi desta vez.
Mas se serve de consolo, você terá outra chance em dezembro de 2012. Nessa data não só a fisioterapia, mas o mundo todo irá acabar. . .
. . . será?